Ácaros vermelhos

     Entre os parasitas, os que causam maiores problemas na reprodução são os chamados piolhos vermelhinhos (Dermanysdus). Esse ácaro, que pode apresentar a cor avermelhada quando estão cheios de sangue, caso contrário são pardo-acinzentados, durante o dia escondem-se e reproduzem nos encaixes dos poleiros, nas molas das portas e em frestas e buracos das gaiolas de madeira. Muitas vezes escondem-se em buracos na parede ou teto. Seu ciclo de vida pode ser completado em uma semana. Em criadouros pode permanecer por 6 meses, após a retirada das aves.
     A transmissão se dá através de objetos "contaminados" como: gaiolas, comedouros, capas de gaiolas, outros acessórios e pelo próprio trânsito de pessoas de um criadouro a outro.
     Um outro tipo (Ornithonyssus), também hematófago, ataca as aves inclusive durante o dia, e chega a botar os ovos no próprio corpo do pássaro.
     Os vermelhinhos causam incômodo noturno, quando vão se alimentar (sangue). A ave não dorme direito, se estressando e perdendo nutrientes para o parasita. Podem causar: diminuição da eficiência reprodutiva nos machos, diminuição da postura nas fêmeas, diminuição da velocidade de crescimento dos filhotes, fraqueza, letargia, e diminuição de apetite. Quando atacam o ninho e encontram condições favoráveis para seu desenvolvimento, muitas vezes obrigando a fêmea a abandonar o choco. Se o mal não for prontamente debelado, os filhotes morrerão de anemia. Tanto no caso do vermelhinho, como no dos ácaros da pena, a reação é semelhante: ele fica bicando o próprio corpo e, não raro, chega arrancar as próprias penas.
     Como profilaxia (prevenção): fazer quarentena das aves adquiridas, higiene no criadouro, gaiolas e acessórios, tratamento preventivo de aves suspeitas, evitar que aves de torneio retornem diretamente ao plantel, pois podem estar portando o parasita, adquirida de outra ave comprometida.

Tratamento :
     Borrife o ninho, a gaiola e lugares como poleiro, molas etc. com um inseticida spray (à base de piretrina ). Os ninhos devem ser trocados e, se for o caso, passe um pouco de inseticida na fêmea, mas bem de leve. Outros autores recomendam o Persoril , colocando nas gaiolas, ninhos, poleiros e nas penas dos pássaros e o Piolhaves.
           Fonte: Revista Passarinheiros e Cia - Dr. Luiz Alberto Shimaoka
                        Animais de Estimação – Pássaros – JBIG
                        O Criador de Bicudos e Curiós - Fermando F. M. Andrade

 

  Rio de Janeiro - Brasil © Nov/2007 by Sérgio Loureiro